Jovens e crianças artistas da Maré se apresentam em Santa Teresa

Originalmente publicado no site do jornal O Cidadão

Festival Juventude da Maré levou peças de drama e comédia do Teatro do Oprimido ao Parque das Ruínas

Carolina Vaz

No último domingo, 29 de novembro, a juventude artística da Maré subiu as ladeiras de Santa Teresa. Eles foram se apresentar – e assistir seus amigos e parentes – no Festival Juventude da Maré, no Parque das Ruínas. Este foi um evento de apresentações teatrais de Teatro do Oprimido, e aconteceu das 09h às 19h, em seis peças e performances, além de contação de histórias. Cerca de 40 jovens atuaram. Também havia a exposição Visões da Maré, no pátio do parque e no espaço das ruínas, que continua por lá até o próximo domingo, dia 06

sta-teresa-1.jpg
Público assiste ao espetáculo Marcha Borboleta, no pátio do Parque das Ruínas. Foto: Renato Mangolin

Você conhece o Teatro do Oprimido?

Teatro do Oprimido é uma metodologia de teatro que pretende colocar em questão a realidade das atrizes e dos atores envolvidos, causando reflexão neles mesmos durante toda a criação da peça e nos espectadores. Segundo Geo Britto, coordenador do Teatro do Oprimido na Maré, é todo o elenco que planeja texto, cenário, música, luz, figurino, tudo. Ele também destacou a importância da presença de parentes nas apresentações: “Não basta fazer o trabalho só com os jovens, o trabalho é integrado. Até porque muitas vezes os conflitos que acontecem estão relacionados com a família.”

festival-juventude-2-renato-mangolin-300x200.jpg
Crianças assistiam atentas e até interagiam com os personagens. Foto: Renato Mangolin

Teatro fórum

Algumas das peças apresentadas no domingo foram em formato “teatro fórum”, quando após o espetáculo alguém da plateia pode ir interpretar um personagem mudando sua atitude. Uma delas foi a “A resposta é só não?”, do grupo Marear. Nessa história, o jovem Diogo, morador da Maré, consegue um emprego numa empresa multinacional. Ele se sai muito bem e está prestes a ser promovido. Mas descobrem que ele tinha mentido na entrevista, dizendo que morava em Bonsucesso, e começam a discriminá-lo por ser morador de favela, acusando de roubo inclusive. Por fim, ele é demitido. Após a apresentação, houve intervenção de três pessoas da plateia, que queriam que o personagem reagisse com mais firmeza ao momento da demissão.

Segundo Janna Salamandra, uma das diretoras, esta foi uma história real escolhida dentre outras histórias do grupo. As atrizes e os atores dizem já ter sofrido preconceito por serem faveladas e favelados em shoppings, na zona sul e outros espaços na cidade, e por isso diziam ser de Bonsucesso. “Eu falei: ei, pode parar. A gente não tem que ter vergonha de ser da comunidade, tem que ter orgulho. E fazer as pessoas entenderem que a gente é da comunidade e merece respeito. Trabalhando com a metodologia eles foram entendendo isso, hoje em dia não têm mais vergonha de dizer: eu sou da Maré”, conta Janna.

A atriz que mais “sofreu” nessa peça foi Tailene Santos, de 17 anos. Ela fez o papel da Amélia, a funcionária que arranja tudo para demitir Diogo. Foi ela que precisou lidar com as intervenções das pessoas da plateia, bravas com a situação de preconceito que acontece. Ela conta que estava tranquila para fazer o papel, mas tinha medo mesmo era do fórum: “Estava com medo do povo vir me detonando, mas até que foi fácil”. Ela é atriz há quatro anos, tendo começado no Teatro em Comunidades, no Parque União, e seguindo os passos da irmã foi para o Teatro do Oprimido. “Isso mudou minha concepção de pensar, o jeito de falar”, resume.

janna-tailene-carolinavaz-NOVO.jpg
Luciana Nunes, Janna Salamandra e Tailene Santos, do grupo Marear. Foto: Carolina Vaz

Outra peça em formato fórum foi a “Em uma família”, do grupo Maré 12, do Piscinão de Ramos. Nela, a menina Ana, de 15 anos, quer praticar futebol mas o pai acha errado. Ele também acha que ela não pode ir à festa que deseja, porque é menina e não sabe se defender. Além disso, somente a mãe e Ana cuidam da casa. Essa história foi baseada na família das gêmeas Nara e Nayla, de 17 anos, atrizes da peça. Segundo Veronica Freire, mãe das meninas, desde que elas começaram a praticar o teatro do oprimido vários assuntos são debatidos em casa, e elas aprenderam que em relações familiares tudo tem solução, na base da conversa. Talentosas, elas praticam há anos e uma delas quer seguir a carreira artística.

veronica-em-uma-familia-carolina-vaz-NOVO.jpg
Veronica Freire, mãe das atrizes Nara e Nayla, assistiu a tudo com muito orgulho. Foto: Carolina Vaz
peça-em-familia-renato-mangolin-300x200.jpg
Cena da peça Em Uma Família. Foto: Renato Mangolin

Cailane Neto, de 11 anos, foi com a família assistir à apresentação da prima, Maiara. Ela gostou de tudo: das peças, das músicas e das roupas. E ficou até com vontade de fazer teatro também. Sua avó, Tânia Fernandes, foi assistir teatro pela primeira vez nos seus 71 anos de idade. Ela adorou as peças e o Parque, e não se arrepende de ter apoiado a neta: “Eu falei pra ela (Maiara): se for coisa boa, você vai. Eu apoio, e agora vou apoiar mais ainda, e as outras netas também.”

netas-e-tania.jpg
À esquerda, Cailane Neto, no centro sua prima, e à direita a avó, Tânia Fernandes. Foto: Carolina Vaz

Com atrizes e atores crianças e jovens, assim como o público, a maioria das peças expunham questões familiares como estereótipos de gênero, pais autoritários, preconceitos, e também a realidade da perda repentina de pessoas queridas para a violência. O objetivo é estimular a reflexão da convivência entre as pessoas e também mostrar ao público externo que faveladas e favelados são cidadãos e podem, como todo mundo, ser muito talentosos. Segundo Janna Salamandra, dentro do grupo se discute muito por que a sociedade tem tanto preconceito com quem vem de favela, e ela diz que é porque a grande mídia sempre mostra o que tem de ruim na favela, a violência. Assim, a sociedade fica com um medo imposto e quem sofre é a moradora ou morador, vítima de discriminação.

Teatro do Oprimido na Maré

O Teatro do Oprimido existe na Maré há mais de 15 anos, mas especialmente os últimos dois anos foram de muitas oficinas e apresentações. São três núcleos: Maremoto, do Museu da Maré (na Baixa do Sapateiro); Marear, do Observatório de Favelas (Nova Holanda); e o Maré 12, no Piscinão de Ramos. Eles já fizeram mais de 70 apresentações em espaços como universidades, praças e teatros, a maioria na Maré. Mas, segundo Geo Britto, a lógica é de ocupar diferentes espaços da cidade, levando a estética do conjunto de favelas e quebrando o preconceito: “No Teatro do Oprimido, a gente costuma dizer que a gente faz teatro em qualquer lugar, até mesmo no teatro”, brinca Geo. No dia 10 de dezembro, estarão no Festival Todo Mundo tem Direitos, no Parque Madureira.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s